O Reino Unido Passou-se

terça-feira, agosto 22

Estava a passar em revista as notícias do mundo, na revista Zona Livre nº53 “on-line”, do Clube Safo, quando dou com a seguinte notícia que passo a transcrever:

Reino Unido – L-word criticada
A campanha publicitária da série “The L Word” foi, até hoje, a segunda mais criticada no Reino Unido, só ultrapassada pela campanha da rede de fast-food, Kentucky Fried Chicken. A campanha L-word apresenta as protagonistas da série nuas e a da Kentucky mostrava pessoas cantando de boca cheia.”

Nem sei por onde começar.

Pessoas a cantar de boca cheia, ainda admito que possa chocar, e que seja mais ou menos inédito (não é todos os dias que vemos em publicidade tal figura). Agora mulheres nuas, ainda por cima, com as partes “das vergonhas” escondidas (ou como dizem os entendidos, “não é um nu frontal”), essas são todos os dias, a toda a hora. Elas em tangas reduzidas, elas em nus frontais, elas com a parte superior do tronco despida, elas em roupa transparente, e por aí fora.

Agora olhem para a capa da série e expliquem-me por favor, qual é o choque? Qual é o teor da critica?

Eu sei que às vezes sou lenta, e que se me acorda o meu neurónio loiro, mas desta vez não estou a entender mesmo…

(Link para a revista Zona Livre nº53 no titulo do post)

5 comentários:

Cacau disse...

Não, não és tu que estás a ser lenta. A critíca é uma parvoeira...enfim!

Há com cada um...

Beijo:)

o eu do território disse...

não esquecer que o UK é uma versão subalterada dos USA... naturalmente que sangue, violencia e afins sejam normais mas a nudez seja por demais censurada!
essencial, meu caro Watson!

Sara Barbosa disse...

Não esqueçam uma coisa essencial. Qdo se vê uma mulher pressupostamente hetero nua, as pessoas pensam na estética: a mulher é linda... Quando à mulher se junta a letra L, as pessoas pensam: que javardice o q elas fazem na cama. Perceberam a ideia? Acho q vou mandar os m neuróbio p praia apanhar sol q se estão a passar . LOL
Kissinhos

estreladonorte disse...

A mesma foto saiu esta semana na revista do Publico, e até com mais detalhe, felizmente :-) (isto é, focada até mais abaixo). Parece que ainda não apareceu nenhuma manif de leitores a apedrejar os vidros do dito venerável jornal.
É melhor pensarmos que este fenómeno é uma espécie de hooliganismo de género! É mais saudável pensar assim...

AR disse...

cacau:
Gracias, por reforçar a minha lucidez de raciocinio :p

eu do território:
Mas nem nos EUA a coisa tomou estas proporções, seria de esperar os nossos amigos bifes (que até legalizaram o casamento homossexual, ou um sucedânio dele) fossem menos criticos!

sara barbosa:
Esse também foi o meu 1º raciocinio, mas depois achei que era uma estupidez tão grande que o descartei! Será que é mesmo isso?

estreladonorte:
Hooliganismo de género, ora aí está uma abordagem interessante, e sem dúvida mais saudável! Vou começar a usar esse filtro para outras análises! Gracias :)