Overbooking!!!

sexta-feira, novembro 3

No último feriado resolvi ir jantar e sair, uma vez que, por motivos laborais, esta seria a última vez que teria uma noite livre para mim este mês. Como tenho muitos amigos (agora chamem-me Alpha) tentei conciliar o meu tempo disponível para estar com o maior número de gente possível. Claro que meti os pés pelas mãos e quando dei por mim, estava claramente em overbooking.

(Perdido por cem, perdido por mil) solução: vai tudo junto jantar e copos em seguida. Assim, fomos jantar 4 e juntou-se depois ao grupo de desconhecidas (todas me conheciam só a mim) a StrangeLove.

Verdade seja dita que para mim foi um momento iniciático, ou seja, nunca tinha estado a jantar com um grupo de mulheres lésbicas.

Uma das frases recorrentes na série “The L Word”, é que as lésbicas falam de tudo, coisa que eu ainda estava para comprovar… Bem dito jantar, tirou-me as dúvidas todas!

Oh meu deus! Não é que é verdade… Falam mesmo de tudo! Não estranharia se estivesse no meio de um grupo de amigas de longa data, mas pessoas que não se conheciam entre si… Bem, foi genial, tenho-vos a dizer!

Começou com as profissões, passou para tipologias de relacionamentos, lutos das relações, cantoras, mulheres bonitas, sexo, enfim, you name it!

De toda a forma para mim a frase da noite foi:

Amiga (em pânico no restaurante) – Oh! Uma Sr.ª do meu emprego!
StrangeLove (na sua calma habitual) – Diz que estás numa despedida de solteira, vais ver que passa bem…

8 comentários:

wind disse...

Ar nem só as lésbicas falam de tudo, quando saía com pessoas que não conhecia, mas com quem eu saía conhecia, isso também acontecia.
Acontece que nós mulheres somos muito faladoras e não temos problemas em entrar em qualquer assunto.
Desculpa, mas é o que eu acho:)

Alpha Female disse...

AR, isso é que foi um baptismo, hein? LOLOLOLOLOL

EyesOnThePrize disse...

:) Eu lembro-me de também viver um momento idêntico: deve estar por estes dias a fazer dois anos que fui passar um fim de semana prolongado em casa de umas amigas. Elas tiveram a gentileza de me convidar apesar do meu humor estar debilitado por aqueles dias. No dia seguinte a ter chegado levaram-me a um jantar que tinham combinado com um grupo de amigas, ao qual se foram juntando mais algumas. Ao todo seríamos cerca de 11 lésbicas, todas em algazarra e amenas conversas em volta de uma mesa no Agito. Eu rejuvenesci nessa noite muitos anos, apesar de quase todas elas serem todas mais velhas que eu. Foi um jantar que ainda hoje recordo com muito carinho, por ter sido iniciático também, e porque nele estavam juntas algumas pessoas que nunca mais se encontraram. Cotinha, dois grandes beijinhos, que são para distribuir, como sabes! :)

Always disse...

AR

Eu acho que isso de "as lésbicas falam de tudo", mesmo não se conhecendo entre si, não é bem assim. Tudo depende das pessoas e da personalidades em questão. Não acho que ser lésbica num grupo exclusivo de lésbicas seja um factor desbloqueador de conversa. Falo por mim obviamente - não me imagino a falar de tudo num grupo de desconhecidas lésbicas ou straights.

Wonder disse...

Bem, bem,bem Overbooking?! Parece-me que aguentas-te bem á bomboca!!!
Quanto ás lésbicas falarem de tudo também acho que depende das personalidades, provavelmente apesar das pessoas não se conhecerem e talvez até não sem muitos pontos de interesse para alem do “fufedo” ( não te escandalizes com o termo, ando a fazer a recuperação de palavras que são normalmente pejorativas, aqui é utilizado carinhosamente!), são com toda a certeza pessoas com personalidade forte e provavelmente muitas serão alfas, o que no conjunto favorece a comunicação, até as mais tímidas acabam por ir na onda… A trivialidade dos nossos dias são comuns a quase todos os mortais até aos que são realmente diferentes de nós! Relações e ralações toda a gente já teve, tem ou anseia por ter!
Mas talvez tudo se resuma ao impacto que uma série televisiva teve no desenvolvimento pessoal e inter-pessoal das Fufas ( mais uma vez é uma recuperação, na verdade eu que não sou rapariga para o socialmente correcto!).

Always disse...

Velaslee

A recuperação de termos normalmente entendidos como pejorativos, embora divertida, pessoalmente, considero-a desnecessária. Já que a linguagem é um organismo vivo, seria bom e especialmente útil não recorrer a designações associadas ao preconceito e a guetização do olhar dos outros sobre os 'diferentes'.

Não acredito que um 'grupo de lésbicas que falam de tudo' seja predominantemente composto por 'alphas' no sentido que se dá à definição de uma 'lésbica-alpha', coisa que eu também tenho alguma dificuldade em assumir como verdade científica e universal.

Num 'grupo de lésbicas em que se fala de tudo' o ponto central que se destaca é, efectivamente, a personalidade de cada uma e a dinâmica de grupo que se estabelece no momento entre as pessoas presentes, como aliás acontece com qualquer grupo de indivíduos, independentemente da orientação sexual dos mesmos. Antes de serem lésbicas são indivíduos e não me parece que a orientação sexual seja o factor que determina uma comunicação mais ou menos fluente em todas os assuntos.

Claro que a solidariedade que se estabelece pelo processo de identificação (o estar entre 'iguais') promove o diálogo com maior abertura no que diz respeito à partilha de experiências de vida e visões do mundo com base numa sexualidade de referência comum. Isso, contudo, não anula factores de personalidade. Parece-me que o grupo em questão não tem validade universal.

E sim, certamente, a dita série de televisão tem alguma relevância na forma de estar actual dos 'grupos de lésbicas que falam de tudo', apesar de eu também achar que a série mostra presisamente no contrário no que diz respeito às 'lésbicas alpha' - as alpha da série - Marina, Bette e Shane - eram aquelas que raramente falavam de tudo e muito menos de si próprias.

ana susy disse...

bem nao sei se sera bem aceite ou nao... mas pelo que ja entendi... para alem de que posta neste blog deveras delicioso... á tambem quem, tal como eu, se delicie a le-lo por isso tenho uma proposta a fazer... porque nao um grande jantar entre nos todas... é que para alem de ter alguma " curiosidade" em conhecer alguns de vos... gostaria de viver a mesma experiencia da AR... deste lado ja somos duas... quem se quizer juntar... jantarjuntas@iol.pt.
beijos

AR disse...

Resposta generalizada:

Bem! Eu sei que depende das pessoas obviamente, sei que não é pelo facto de se gostar de mulheres que a lingua se solta mais do que o comum dos mortais (mas olhem que a lingua solta nas lésbicas fica bem :p)! No entanto, aquele jantar especifico coincidiu com um esteriótipo, o que me divertiu imenso!

Ana Suzy:
Amiga, vais ter de me perdoar eu não alinhar na iniciativa... Mas como deves já ter reparado eu sou envergonhada, muito! Por outro lado, a minha disponibilidade é reduzidissima! Mas desde já desejo sorte e sucesso ao jantar...