Salomé - a encantadora de serpentes - parte I

quinta-feira, novembro 13



Por vezes não me apetece brincar com aquilo que sinto conter a verdade mais profunda do meu ser. Nem sempre é bom achincalhar aquilo que não conhecemos porque um dia o amor toca-nos e nesse dia arrependemo-nos de tudo o que (mal) dissemos e fizemos em seu nome. Menosprezá-lo foi para mim uma forma de me defender contra uma força desconhecida. Mas quando um dia o amor me apareceu eu soube que tinha desperdiçado inúmeras ocasiões de introspecção sobre aquilo que o amor era para mim.

Tive demasiadas amantes na vida, pisei mil vezes o risco de me perder nos seus risos fáceis e orgasmos violentos, e hoje penitencio-me através das histórias que me escorrem da memória, guardo-as aqui como folhas secas que se coleccionam ao longo dos anos até que um dia nos esquecemos porque resolvemos preservar tanta insignificância durante tanto tempo.

Embora Salomé não fosse uma mulher insignificante, muito pelo contrário. Foi o caso mais estranho que tive, a primeira vez que partilhei uma mulher na cama com outro ser animado, mas estou já a salivar e ainda nem comecei a pensar naquilo que vou contar, nem como conseguirei deixar retratado o que Salomé deixou em mim. Esta é uma daquelas folhas que tardou a amadurecer e a secar mas penso que estou finalmente preparada para a deixar voar. Quero chegar ao fim do Inverno limpa e nua, igual ao dia em que nasci, antes de todas as ramificações e folhas que de mim brotaram ao longo da vida.

Abordar a mulher que Salomé era será sempre tarefa ingrata, até porque nunca conheci ninguém assim, em tantas e tantas outras que comigo se cruzaram. A mulher era mais do que uma força da natureza, era uma verdadeira instituição, daquelas que sabemos que já existiam bem antes de aparecermos e que continuarão a existir muito depois de não sermos mais do que nuvens de poeira a esvoaçar pelo meio de terras áridas de gente e de vida.

Não foi ela que veio ter comigo, já conhecia bem as suas histórias de encantamentos muito antes de ter tido a oportunidade de a ir procurar. Era uma lenda, um daqueles seres míticos de que ouvimos falar na infância e juventude e sobre a qual tecemos inúmeras considerações e criamos múltiplas fantasias. Salomé era a mulher do Prazer, com P grande, aquela sobre a qual todas falavam e que todos os homens temiam. Segundo a própria nunca tinha tido homem nenhum e isso era motivo de orgulho extremo. Dizia-se filha da terra mãe, gerada por partenogénese no seio duma virgem juvenil que nunca soube porque passados meses dum sonho violento e sanguíneo deu à luz uma menina de tez escura, de olhos tão negros e profundos. Se fosse crente, teria achado que a menina era seguramente filha do demo, mas felizmente para todas nós, a mãe de Salomé tomou o feito como uma dádiva da terra fértil que a rodeava, e tratou sempre a menina com deferência.

Idolatrava-a como se de uma deusa se tratasse, o seu quarto era um santuário, e um local de veneração profunda onde a sua mãe, livre do jugo masculino de um marido que nunca teve, se lhe dedicava em exclusivo. Oferecia-lhe o que de melhor tinha, desde histórias fascinantes sobre mulheres poderosas que viviam e governavam em mundos antigos a canções sobre tudo o que já se tinha passado e o poder dum futuro que ainda estava para vir. A mãe de Salomé não tinha dúvidas que a sua filha teria um grande impacto no seu tempo e na história de toda uma sociedade predominantemente dominada pelos abrutalhados machos da sua espécie. Ela sonhava com uma sociedade desprovida da raiva, agressividade e territorialidade tão presentes naqueles que se engalfinhavam uns com os outros a troco de um punhado de terra, de mulheres ou de filhos. Se ao menos a sua filha aperfeiçoasse a arte de génese espontânea, tal como lhe tinha ocorrido a si infelizmente sem que soubesse como o tinha feito nem como repeti-lo.

Não acreditava em nenhuma espécie de equilíbrio natural que adviesse da junção de machos com fêmeas porque os machos queriam sempre ser dominantes e nunca aceitariam uma mulher que se lhes sobrepusesse em todos os campos. Mais do que isso, ela seria uma mulher que dispensaria da presença masculina de todo! E talvez fosse o que a sociedade precisava depois de tantos séculos de penalização da mulher pela igreja e pelos homens. Como era possível que lhes traçassem (travassem!) o destino invocando a sua culpa exclusiva pelo pecado original? E como era possível terem conseguido enganar tantos milhões de almas durante tanto tempo, tantos homens que usavam e abusavam do complexo de culpa milenar das suas mulheres e tantas mulheres que se lhes subjugavam com medo... de quê??

Foi importante para Salomé que a sua mãe cuidadosamente lhe fosse retirando as finas escamas de culpa que se lhe colavam ao espírito como a todas as outras mulheres do seu (e do nosso) tempo. Assim a menina cresceu forte e destemida, com uma vontade e um desejo inabalável de ser tudo aquilo que pretendia e de viver conforme lhe desse mais prazer. Talvez fosse o seu olhar directo que incomodava os homens que se tentavam aproximar dela. Não se subjugava, não se submetia, não aceitava que não a tratassem como igual, aliás como ser superior que sentia que era. Era mais inteligente, mais astuta, mais brilhante e genial do que qualquer outra pessoa que conhecia. E era bela... de uma beleza rara, pura, imaculada, muitíssimo atraente e sensual.

Ninguém sabia bem o que Salomé fazia, dizia-se que usava os seus poderes de comunicação com os animais para adivinhar a sorte a quem a procurava, e como não eram raras as vezes em que acertava, as pessoas deixavam-lhe tudo o que tinham, casas, terras, fortunas que Salomé distribuía às gentes que viviam em bairros pobres e degradados. Nunca se tinha conhecido uma mulher tão generosa, tinha uma legião de admiradores que muito desagradava aos padres dos lugares por onde passava. Reza a história que um dia um padre a impediu de entrar na sua aldeia porque acreditava que ela era uma bruxa e não a queria perto do seu "rebanho". Ao que ela retorquiu que as bruxas não existiam, que eram uma invenção da igreja para acabar com as mulheres incómodas. E que não percebia porque é que a igreja se intrometia entre si e os que necessitavam da sua ajuda. E quem era que tinha nomeado a igreja retalhista da generosidade e bondade humanas? "Foi Deus..." lá balbuciou o padre, estupefacto com a argumentação da rapariga. "E quem é Deus? Onde está Ele? Já O viu? Já Lhe falou? Como sabe que Ele não me quer aqui?"... ao que o senhor já demasiado atrapalhado se afastou para a deixar passar, pouco habituado que estava a que questionassem as normas da sua igreja.

Com o passar do tempo alguns aventuraram-se a tentar chegar mais perto de Salomé, por vezes usando modos que a ela lhe pareciam demasiado grotescos, agarravam-na, queriam tocá-la e cheirá-la, alguns tentavam beijá-la. A todos ela tratava com uma enervante frieza que desarmava mesmo os mais fervorosos pretendentes. Não havia nada em si que a atraísse a tal espécie, nada lhe agradava nos seres humanos que a rodeavam. Cheiravam mal, não se cuidavam minimamente. Nem sequer conseguiam manter um discurso coerente, rapidamente davam mostras de falhas de raciocínio imperdoáveis. Salomé começava a convencer-se que seria um ser assexuado, indiferente que se sentia a qualquer ser de qualquer sexo. Até que um dia A encontrou, essa que foi a sua primeira (e há quem diga única) paixão. Isilda era uma mulher frágil que tinha padecido de um rol infindável de doenças desde a sua mais tenra infância. Via-se que podia ter sido uma mulher muito bela, mas tanto sofrimento tinha-a feito encolher ligeiramente. Era tão pálida que parecia quase transparente e eram raras as pessoas que se aproximavam por acharem que ela não seria seguramente deste mundo. Parecia um ser lunar, algo entre este mundo e outro qualquer desconhecido e assustador. A clareira que se formava sempre ao seu redor intrigou Salomé que quis conhecer aquela mulher quase translúcida de onde emanava uma aura muito intensa de cor violeta. Percebeu mesmo sem falar com Isilda que ela tinha muito para lhe transmitir e não mais a largou.

Isilda podia parecer fora deste mundo mas uma vez ultrapassada a barreira que a separava do mundo era uma mulher extraordinariamente fogosa. A fragilidade transformava-se em sensibilidade que dava lugar a uma quente sensualidade. A sua pele azulada alaranjava-se com a presença tão física e tão forte de Salomé. O beijo que as uniu foi fatal. Salomé percebeu que afinal era um ser sexual. E Isilda percebeu que tinha acabado de se apaixonar tão perdidamente que doravante seria a sombra de Salomé. Para onde uma fosse a outra seguiria. Salomé passou a ter 2 pares de olhos, 4 braços e 4 mãos estendidas na direcção dos mais carenciados.

E à noite na cama... digo eu que nunca as vi juntas sequer... à noite na cama dormiam tão juntas que uma não se distinguia da outra. A cor da pele de Isilda mudava de tom, feito camaleão e eram as duas uma massa só, uma só respiração, um só bater de coração. Nunca se vira uma relação assim em lado nenhum. Salomé adorava aquela mulher, amava-a tremendamente e tentava ser de tudo um pouco na relação, amiga, irmã, mãe e amante. Ia colmatando em Isilda todas as emoções que sentia que a mulher nunca tinha experimentado. Dava-lhe tudo... e daria a sua própria vida por ela mas infelizmente todos os cuidados que Salomé tinha com Isilda não foram suficientes para a tornar diferente do amalgamado de doenças em que ela se tinha convertido.

Um dia, numa noite fria de Inverno, Isilda não mudou de cor ao instalar-se na cama ao lado de Salomé. A sua tez azulada manteve-se assim como a sua respiração fraca e entrecortada de pequenos soluços. Os vários animais que seguiam Salomé para toda a parte transmitiam-lhe que o fim de Isilda estava próximo mas ela não os queria nem ouvir! Mas Isilda faleceu nos seus braços nessa noite e Salomé percebeu que afinal o seu poder não era ilimitado. Foi a maior decepção da sua vida, e abriu nela uma fenda tão profunda que nunca mais foi a mesma. Deixou entrar nela sentimentos que a sua mãe tanto se tinha esforçado por afastar, a raiva, a culpa, a amargura, o desespero. Pela primeira vez na vida chorou, chorou tanto que teve medo de se esvaziar de todos os sentimentos que um dia tinha nutrido por Isilda. Mas o tempo, esse tempo que dizem tudo curar, ajudou-a a enfrentar uma vida sem Isilda.

No entanto, nas noites frias de Inverno, e depois nas quentes de Verão também, passou a não suportar a solidão da sua cama vazia e desde o momento em que deixou de chorar Isilda passou a seleccionar companheiras que a fizessem lembrar de Isilda e que lhe aquecessem o corpo como Isilda fazia. Foi nessa altura que a lenda de Salomé enquanto amante insaciável começou a circular e chegou aos meus ouvidos. Diziam que nunca tinha querido um homem, não sabia o que fazer deles, nem com eles. Acreditava que se um dia tivesse que ser mãe o seu corpo se encarregaria dessa tarefa, sem precisar de parte alguma doutro ser humano. As mulheres que consumia eram apenas um ligeiro consolo à dor que ainda sentia pela morte de Isilda, e pela sua impotência perante tamanha transição. Ainda assim todas as que com ela se deitaram passavam a adorá-la ainda mais do que antes. Metade ou um terço de Salomé ainda era dose suficiente para as inflamar de um desejo e de uma paixão tal que nunca mais a esqueciam.

(A continuar, assim que me recompuser desta já de si longa missiva!)

2 comentários:

Salomé disse...

Bela narrativa.
Aguardo, ansiosamente, a parte II.

Anónimo disse...

A sua imaginativa capacidade de narrar, é maravilhosa :)
Faça o favor de se recompôr depressa para que, também depressa, nos chegue a parte II da mística Salomé :)

Gosto de a ver desenrolar os seus novelos :)

Leitora