As Coisas que se Lêem

terça-feira, julho 3

“Acho que vou ter de me tornar lésbica.”
Joss Stone, cantora dizendo que não tem namorado há dois anos, The Times.

(Engraçado como mulheres que não têm sucesso com os homens, acham que as lésbicas poderão ser menos exigentes, logo uma opção de reserva)

“Paulo Portas não parece adepto dos conservadores gémeos Kaczynski, que governam a Polónia. Mas os motivos além de políticos, poderão ser estéticos. Dizia o líder do CDS ao deputado João Rebelo, na semana passada, na Assembleia da Republica: «O difícil é saber qual é o mais feio, o que tem sinal ou o que não tem sinal.» Clarifiquemos: nem é um sinal. Lech tem uma verruga na cara, Jaroslaw não tem nada.”
(Já sabíamos que os gémeos polacos são homofóbicos confessos. Quando li a 1ª parte do artigo ainda pensei: Querem ver que o Portas vai falar sobre a homofobia e confirmar os rumores sobre a sua suposta homossexualidade!? Mas não… Quando acabei de ler o artigo só uma frase me surgiu no cérebro: How gay can you be?)

Parte da entrevista a Fernando Negrão:
“Sábado – Já tinha ido às marchas populares?
Negrão – Várias vezes. Não sou fã, mas gosto de ver, é um espectáculo interessante.

S. – E as paradas Gay também são interessantes?
N. – Não, não acho grande interesse.

S. – Já participou em alguma?
N. – Não.

S. - Participaria?
N. - Não participaria.

S. – Porquê?
N. – Não vejo interesse nisso. É uma coisa que me faz alguma confusão as pessoas assumirem a sua posição de orgulho relativamente a alguma opção, designadamente a sua opção sexual. Eu não tenho qualquer orgulho em ser heterossexual. Não percebo porque é que as pessoas têm orgulho em ser homossexuais ou qualquer outro tipo de opção sexual.

S. – Acha que as relações homossexuais deviam ser contratualizadas?
N. – Não, acho que não. O casamento é visto como uma instituição conservadora pelas pessoas que têm uma posição diferente daquilo que é dominante numa sociedade.

S. – É homofóbico?
N. – Acha que isto é ser homofóbico? Eu já lhe disse que devemos respeitar todas as opções sexuais das pessoas. Há algumas limitações que têm carácter criminal, cada um toma a sua opção em plena liberdade e felizmente que assim é.

S. – Alguma vez quis saber a orientação sexual de um colega ou funcionário?
N. – Por amor de Deus! Nunca. Nem sexual nem partidária.”
(Além de trocar-se todo com a EPUL, EPAL, IPPAR, também se troca com Opção e Orientação, com Contratualização e Instituição, Orgulho com Direitos e Plena Liberdade com Metade dos Direitos/Todos os Deveres… A confusão que vai naquela cabeça).

Todos os excertos foram retirados da revista Sábado nº 165.

5 comentários:

Jotinha disse...

É homofóbico? NADA DISSO !!!!!!!!

(esses fulanos todos juntos na fogueira a arder é que era)

E de política e bons políticos vive este país!

cumplicidades disse...

Só uma palavra...JISAS!!!

Beijos

eloisa disse...

so falta aqui uma frase que tambem vem na revista sabado da monica belucci algo como: cada mulher no fundo tem sempre o desejo secreto de ser uma prostituta, é algo do genero, se alguem tiver a revista veja la na parte das frases, e coloque aqui a frase correcta...

Memory disse...

Como dizia um tal poeta....''Eles não sabem o que dizem''...Infelizmente a mentalidade dos nossos politicos não está á altura da sociedade que temos e enquanto houver este fosso, nada há a fazer se não insistir, insistir....
Quanto á dita cantora, não há palavras para a classificar..No coments at all..!!!

Bjs

Girl Blue disse...

É impressionante os disparates que se consegue dizer em tão pouco tempo :D